Quem é quem?

1. Coordenação executiva – Maria Betânia

Betânia é conhecida de muita gente na comunidade do Coque e é um dos pontos de partida deste sonho coletivo. Ela, que sempre foi um dos braços direitos de Frei Aloísio Fragoso em seu trabalho junto à comunidade, hoje é estudante de pedagogia e a principal responsável pela Biblioteca Popular do Coque. É ela quem rege a orquestra, quem participa da maior parte das reuniões com a Rede, quem vai em busca de parceiros e colaboradores.

2. Os mediadores

RAFAEL – Bolsista pelo Programa Manuel Bandeira da Prefeitura do Recife, Rafael é parte da comunidade, filho de Betânia e já era colaborador antes mesmo de receber a bolsa da Prefeitura. É estudante de história e vai dar aulas de flauta para a meninada. Também ajuda nas atividades de mediação, sobretudo na parte de pesquisa e roda de leitura. Ajuda na catalogação e organização do acervo e, também, na atualização do blog.

OLGA – Olga também é bolsista pelo Programa Manuel Bandeira, da Prefeitura. E também já apoiava as ações da bilioteca, como voluntária, há um bom tempo. É parceira também das ações do Frei Aloísio Fragoso. É formada em mediação de leitura pelo grupo Zumbaiar, da Fundação Joaquim Nabuco. Ajuda nas atividades de mediação e, sobretudo, na catalogação e organização do acervo.

FABIANA – Jornalista e atriz, ela está há três anos como voluntária na Biblioteca Popular do Coque. Duas vezes por semana, sempre pelas manhãs, ela trabalha com contação de histórias, jogos lúdicos e educativos e atividades pedagógicas. Também ajuda a atualizar o blog e na redação de projetos.

3. Os parceiros

REDE DE BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS: A Rede de Bibliotecas Comunitárias reúne, atualmente, oito instituições que acreditam na democratização da cultura e do saber. São bibliotecas que buscam juntas alternativas para auto-sustentação e formação. E atuam juntas em busca de mudanças nas políticas públicas de incentivo à leitura. Fazem parte da Rede: Biblioteca Cepoma, Biblioteca Comunitária Amigos da Leitura, Biblioteca Comunitária Caranguejo Tabaiares, Biblioteca Creche Lar Mei Mei, Biblioteca Multicultural Nascedouro, Biblioteca Popular do Coque, Espaço de Leitura Os Bravistas – Shekinah, Biblioteca Peró.

INSTITUTO C&A: A parceria com o Instituto C&A vem oficialmente desde 2009. Em 2006, a instituição lançou o Programa Prazer em Ler, onde desenvolve uma série de concepções em torno da Leitura, do Espaço de leitura, da Mediação de Leitura, Acervo e da Gestão do Espaço, como pilares estruturantes de uma Biblioteca. Então, o Instituto C&A, para além do repasse financeiro, adota uma série de ações de apoio a gestão dos projetos de leitura, com formações periódicas e constantes diálogos com os coordenadores de cada projeto.

CENTRO CULTURAL LUIZ FREIRE – O CCLF, vem a vários anos fomentando o desenvolvimento institucional de diversas instituições e a partir de 2008, a instituição firmou também uma parceria com a Rede de Bibliotecas, tanto no âmbito técnico-pedagógico, quanto na formação política, além de ter disponibilizado recursos financeiros aos membros da Rede de Bibliotecas Comunitárias.

4. Parceiros de origem

Núcleo Educacional Irmãos Menores Francisco de Assis – O Neimfa atua há mais de 20 anos na comunidade do Coque, destacando-se pelo trabalho de formação humana e educacional pautada pelos eixos da Cultura de Paz e do Holismo, baseando-se na prática da não-violência através da solidariedade, da cooperação e de respeito aos direitos humanos. A partir de uma parceria com o Departamento de Comunicação Social da UFPE, a ONG acolheu a produção de um jornal sobre o Coque escrito por universitários e jovens da comunidade, que ganhou o prêmio Caixa na categoria Jornal Universitário em 2007. A partir desse contato e do interesse dos próprios moradores em discutir a comunicação e novas representações sociais do Coque na grande mídia, foi formado o Núcleo de Comunicação de Jovens do Coque, cuja intenção era promover capacitações e provocar um outro agendamento do Coque

Projeto Coque Vive – O projeto Coque Vive designa um conjunto de ações realizadas, desde 2006, pela Universidade Federal de Pernambuco. O projeto tem atuado junto aos jovens do bairro oferecendo cursos de formação crítica e oficinas de capacitação para o manuseio técnico-expressivo das mídias. Busca-se por meio dessa formação, crítica e técnica, estimular o surgimento de estratégias de comunicação alternativas capazes de ofertar novos conteúdos sobre o Coque produzidos, agora, pelos seus próprios jovens.

Frei Aloísio Fragoso – A Assembléia Legislativa de Pernambuco concedeu o título de Cidadão de Pernambuco a Frei Aloísio por sua história de vida e atuação social na região. Sendo o Ministro Provincial da Ordem Franciscana em Recife e Olinda, a vida do Frei esteve muitas vezes conectada com a de Dom Hélder Câmara e outros expoentes da Teologia da Libertação no estado. Frei Aloísio tem mais de três décadas de atuação na comunidade do Coque.

MABI / Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis: Coletivo de jovens do bairro

5. Outros colaboradores

  • Flávia Suassuna

Mestra em Teoria da Literatura pela UFPE, tem experiência com a prática de ensino há mais de 30 anos, sendo hoje uma das mais importantes e bem conceituadas professoras do Recife. É também escritora e ganhadora de diversos prêmios literários, com três romances publicados. Aprovada em concurso público para provimento do cargo de técnico em assuntos culturais da Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ) em 4º lugar – 1989. É professora de Literatura e Redação no GAME (Grupo de Aulas de Matérias Específicas) – preparatório para o vestibular.

  • Raimundo Carrero

Pernambucano da cidade de Salgueiro, viveu no Recife desde a adolescência, formou-se em Jornalismo e atuou no Conselho Municipal de Cultura durante oito anos. Também participou do Movimento de Cultura Popular e até 1998, foi presidente da Fundação de Patrimônio Artístico e Histórico de Pernambuco (Fundarpe). Nunca quis sair de seu Estado de origem, tornando-se um escritor verdadeiramente da região. Entre outros prêmios, recebeu o Machado de Assis, pelo romance Somos Pedras que se Consomem (1995) e o Jabuti pelo livro de contos As Sombrias Ruínas da Alma (1999).

  • Antônio Guinho

Formado em psicologia, tem vasta experiência na área de educação. Trabalhou na concepção e produção de diversos vídeos educativos e ocupou o cargo de professor universitário na FAFIRE, UNICAP e IPE. Como escritor, publicou cinco livros infantis e montou cinco peças de grande sucesso, entre elas “Hipopocaré, o Rei da Galhofa”, e “Picolé de Manga Rosa”, tendo recebido o Prêmio Nacional de Dramaturgia do Ministério da Cultura. Atualmente é coordenador do Centro Rio Ganges situado no bairro dos Coelhos em Recife, onde realiza o curso Oficina de Textos, entre outras coisas.

  • Josessandro Andrade

Professor da rede estadual, poeta popular natural de Sertânia(PE). Participou de diversas coletâneas como Abismos Azuis, A gramática do Cordel e Novos poetas – cadernos populares da Fundação de Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe). Em Sertânia, onde vive, recebeu três vezes o prêmio de melhor texto no Festival de Teatro Estudantil pelas peças Diário de um poeta de água doce, O grito da Terra e A fome de cada um – a miséria de todos nós.

  • Yvana Fechine

EX- Repórter da TV GLOBO e das principais emissoras da região nordeste, a professora Yvana hoje é umas das maiores estudiosas do Brasil na área de tevê, documentário e telecinejornalismo sendo a análise da produção de Guel Arraes o seu atual objeto de pesquisa. Foi coordenadora do Comitê de Avaliadores Voluntários do Projeto Selo Unicef (programas de rádio) e é professora doutora do Departamento de Comunicação Social da UFPE, onde exerce a coordenação do projeto de extensão Coque Vive

Os comentários estão desativados.